O cupido descansa atrás da porta

noviembre 26, 2014 Poesia  No comments

canon 185

A chuva cai e os anjos oram.

Todos oram. A Hora de decidir.

Entre as verdades e os disfarces,

as mentiras e os desastres.

Sabor de Nagchampa….

Nossas vidas nas estampas.

De um “rapte-me camaleoa” .

Em uma rede plenária.

 

O cupido descansa atrás da porta.

Anjo disfarçado

Piscando o olho

para quem vende fiado.

Não ora, Ele ri e chora.

Moedas no altar

para o amor

se manifestar

em cada berço

e olhar…

 

 

Leave a reply