Liberemo-nos espaço – no lapso temporal.

septiembre 23, 2018 Poesia  No comments

 

Quando o autor da própria existência tem lampejos fora da matrix, vê a maleabilidade da realidade. E das escolhas que aprisionam. Das decisões que liberam espaços. Gigas, ou páginas de memória afetiva. Ou seletiva. Reordenemos os registros. Os balanceios do caos. Mental ou cerebral. Aquele parafuso emocional. Fora do tempo. Atemporal. Reordenemos os neurônios. E as sinapses oxidadas. Liberemos o wifi interno. Pactuando um novo prumo. Um leme apontando onde dorme. O anseio mais profundo.

 

Leave a reply

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>


*