E se vamos juntos ao nosso enterro. E brindamos pelo aprendido.

octubre 6, 2018 CrônicasMicro relatoPortuguês  No comments

E se vamos juntos ao nosso enterro. E brindamos pelo aprendido. Dos nossos corpos doloridos. Porque ignoramos. O livre arbítrio. E se vamos juntos ao precipício. E lançamos ao mar. As peles não reveladas. Mais além da carne rimada. Desnudada prosa. Entre estranhos. Mais que queridos. E se vamos juntos ao desfecho. Ao ponto e vírgula ou reticência. Ao seu personagem vago. E ao meu eu lírico. Se cancelamos os delírios. E nos olhamos frente a frente. Cara a cara. Sem corpo a corpo. Por primeira vez. E se lentamente. E nesse enterro. A terra não nos tragasse . E revelasse um sentimento adormecido. Um querer mais que bonito. Para sermos mais que amigos. A luz do dia . Com zíper rígido.

Leave a reply

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>


*