Categoría Português

Cantam os súcubos

abril 18, 2018 PoesiaPortuguêsPulsões  No comments

Cantam os súcubos

Quando o mundo vibra dentro. E quase se entende. A teoria do absurdo. Quando as palavras deslizam. Em saliva. E a tez é quase crepúsculo. Quando os flancos reverberam. Em pulsões aceleradas. E o que vibra dilacera. A razão redecorada. E se fosse perpétuo o crime. As lanças e armamentos delicados. E as estrófes rugosas. Rimassem em ritmo orquestrado.
Quando o cosmos resvala. Em um minuto eclipsado. Se calam os egos. Os verbos. E se perpetuam. Os orvalhos.

Leer más

Combien

marzo 28, 2018 CrônicasPortuguês  No comments

Combien

Como se não bastasse. Bastar. Porque ser feliz parece pouco. Como se não restasse prosperar. Porque ostentar. Parece tudo. Como se não bastasse se destacar. Porque ser e não ter. É pouco. Como se o público fosse tudo. Mesmo que
Ter talento fosse nada. Como se não bastasse provocar. Novas redes neurais. Porque incitar o pensar. É raro. Como se não precisasse respirar. Porque Estar vivo é pouco. Como se não bastasse ter dois hemisférios cerebrais. Belíssimos. Ter multi focos. É pouco. Como se não fosse pouco. O muito que vales. Não amar. A vida. O que se faz. É nada.

Renata Vázquez

 

 

Leer más

Delerium

marzo 1, 2018 CrônicasPortuguês  No comments

IMG_6602

Nao  o  e deixar os fios molharem o desejo. Desnudar o prazer mais além do corpo explícito. Invadir as esquinas da alma e penetrar as entranhas. Beber doses duplas dos seus fluídos. Sem gelo. Tragar os suspiros. Boca a boca. Golpe a golpe. Versar a pele exposta. Em todas as suas rugosidades. Ir um passo adiante do que se define intimidade. Rompendo regras. Pretextos. Subtextos. Tácitos. Ou implícitos. Provar o ilícito, imoral, em puro instinto. Despudorar as vísceras e as vielas internas. Alargar as frestas do meu dicionário. Dilacerar chaves ou cadeados internos. Dar corpo. Dar passo e voz as pulsões ancestrais. Cobrir de de-leite a derme e a carne. Sentir o que arde mais além do delírio. Lira dos vinte anos em estado adulterado. Página marcada em pluma densa. E fibrosa...

Leer más

Na polifonia do instante

febrero 25, 2018 CrônicasPortuguês  No comments

IMG_6472Um pronome indefinido. Que denote
Alguém que some. Que ande lado a lado. Sem medo dos tropeços. Ou arremessos. Que nascem das têmporas. Ou intempéries. De um domingo azul. Que desfrute da sinuosidade. De uma montanha russa. Com looping triplo. Um sujeito em oração composta. E pecados enxutos. Conjugados. Gramaticalmente irreverente. Que me leia de trás. Pra frente. Que revide da rotina. E zombe do destino.
Uma alma que dance no silêncio. Das miradas que se escapam. Quando o subtexto descansa. Na telepatia. Da leitura labial. Não revelada. Um pronome indeterminado. Imprevisível. Psicodelicamente humano. E espiritualmente utópico. Alguém que reste. Que repouse. Nas horas vagas. Como mariposa atrapada. Onde Um não é mais que dois. Na polifonia do instante. Que despedace os argumentos...

Leer más

Constante Epifania

febrero 15, 2018 Português  No comments

IMG_6246

 

Existe um lugar onde o mundo é uma constante epifania. Onde os limites do horizonte não são um mistério. Mas uma paragem que pulsa dentro. Existe uma melodia primordial que ressoa em todos os planos de existência. Existe um lugar onde emoções e sentimentos são apenas nomes sem sentido em um fragmento da realidade material. Existe um ser que baila, em estado equânime,  onde os corpos não passam de um acessório. Perene, no aprendizado. Existe um lugar na alma, onde inexiste dor. Onde se é apenas plenitude. Latitudes sem limite. Onde não há separação. Mas constante encontro com o todo. No pleonasmo eterno de sua totalidade.

Leer más

Ode a Freya

enero 20, 2018 PortuguêsPulsões  No comments

IMG_5382Sussurre. Recite. Palavras ao vento. E intenções ao fogo. Desdobre os arquétipos. Tecidos no corpo. Revele os tempos. Esquecidos. Mais além dos véus. Despindo o céu. Entre olhos intergaláticos. Incite. Inspire. As labaredas internas. Desvende os olhos. Em noites secretas. Versando verbetes violáceos bem densos. Decrete dizeres no reflexo do espelho. Trançando a vista, desfocando o lenço. Recite. Invoque. Os quatro elementos, entre artemísia, verbena e sal entre areia. Reviva a era crescendo solta nas pedras. Revolva raízes e ervas consagradas na chuva. Leia as frases dançando na lua. Aponte o norte e o rumo das cruzadas. Veladas ardentes. Em
Tertúlias sagradas. Sussurre e escreva desejos ardentes. As veias da alma em
Estrelas cadentes.

Ascenda o templo interno e conexo...

Leer más

Deixe ser

diciembre 10, 2017 CrônicasPortuguês  No comments

Fale o que pensa. Ouse sentir. O que se sente. Dance a beira do abismo. Ou tenha um colapso. Em terra firme. Seja tocável. E dedilhe outras almas. Encha-se de pleonasmos. Ou redundâncias. Aceite o risco. O cisco no olho. Quando algo te emociona. Esvazie toda a caixa de pandora. Ou de possibilidades. Desfrute meias verdades. Ou a realidade tecida por emoções. Tangíveis. Queira querer. Na acepção da Querência arcaica. Deixe ser. Penetre. Mais além de superfícies. Beba almas. Em garrafas infinitas. Nas reinvenções do dia a dia. Nas oblações noturnas. Prove o Ser. E o sabor do verbo solto. Desinteressado em parecer. Casca ou filtro. Desvele os vieses da vida. Que não se descosturam facilmente.  Solte as correntes. Revele o veneno e a cura. Retribua o sol. Ou a lua. Abunde-se de generosidade...

Leer más

Introspecção é quando observador e observado habitam o mesmo lugar, o mesmo tempo.

noviembre 25, 2017 CrônicasPortuguês  No comments

IMG_1560

Introspectivo é um espaço mental. Semi impenetrável. Onde poucos poros se abrem para alguns. Mas o Ser se encontra recluso em si mesmo. Repousando nas possibilidades. Ou calamidades de situações que só restam por um instante. Efêmero. Introspectiva é a temporada de auto analise. Fora do divã ou dos ditâmes de analista. Ou pseudo terapeutas. É a hora da sangria. De fazer o balanço de meses. Ou a contagem do caixa. Interno. Introspectivo é um estado mental. Silencioso. De poucas palavras. E muitos sentimentos. É a poeira sob o tapete que precisa ser arejada. Ou exterminada. Introspectivo é um estado de espírito. É a porta encostada. Para que entre um sopro de brisa. Ou alguma mente que compactue com suas verdades. Ou entenda de essência. Intro é o prefixo que precede o real substantivo...

Leer más

Para o Ser

noviembre 14, 2017 CrônicasPortuguês  No comments

Para o Ser .

Para qualquer mal, há uma cura.
Para qualquer veneno, um antídoto emocional.
Para qualquer destemperança, o ar puro.
Para mentes ancoradas no passado,
o tempo.
Para vícios de comportamento, resgatar o eu.
Para versos inacabados, poesia constante.
Para braços que não abraçam, o mar que acolhe além do céu.
Para a ansiedade, o nanossegundo que se congela.
Para a felicidade, abdicar das couraças do ego.
Para não regressar a esse plano, trabalho diário e sincero.
Para amar de novo, ser vento, ser prana, ser areia, sal, saliva, veneno e cura nas proporções adequadas.
Para ser um Ser pleno, doar-se, ao ar,

Sem Esperar nada em troca.

Leer más

“Saara, a filha do deserto” – Esgotado em noite de lançamento

noviembre 9, 2017 Português  No comments

Já é madrugada, mas permanece mais uma noite latente para recordar. Aquele lugar da mente onde a impermanência não toca. Tantos abraços, beijos, afagos e dedicatórias na ponta da caneta. A presença dos amigos, amores e reencontros desse ciclo material e pueril. Agradeço cada sorriso e os minutos dedicados por cada um, que puderam tecer este dia de lançamento. “Saara, a Filha do Deserto” já chegou fazendo diferente. Os livros simplesmente esgotaram e peço desculpas aos amigos-leitores que não chegaram a tempo de adquirir seu exemplar! O deserto virá até vocês. Nova remessa nos próximos dias! Mais uma vez, obrigada.

 

#lançamento

Leer más