As suas escamas no mercado de pronta entrega. Quanto vale?

junio 8, 2018 CrônicasPortuguês  No comments

Cuanto custa? Cuanto custa a total entrega, a real inversa de desnudar o interior? Se é que é possível, se desfazer de todas as cascas e envoltórios da superfície. Cuanto custa a profundidade? Lançar mão do risco, riscar o corpo e a alma no abismo. Desprovido de etiquetas ao redor dos sentimentos ou camadas sub protetoras. Quanto vale o bungee jump de individualidades, sem o jogo de vaidades ou adereços rasos de conquista torpe?

Quanto vale? As suas escamas no mercado de pronta entrega ou encomenda , pescaria ou modelo vivo para  mãos afoitas de outrem. Quanto vale? 

Quanto vale cada rima, cada esgrima que possa penetrar-te as entranhas ou garantias controladas na embreagem. Quanto, quando, custa ou vale as palavras no dicionário, o veludo ou o calor da sua pele, dessas mesclas sob chuva ou sombra ou intempérie de causas fortuitas. Pululamos as vontades? Aceleramos montanha arriba ou desfiladeiro abaixo? Nessa estima, nesse estimo de quereres baixo o fog das manhãs que cismam em rasgar o céu, o véu dos sóbrios ou dos que pensam demasiado. E já nem recordo a primeira linha, a primeira pauta, ou o planeta que rege esse signo. Molhado. Tertúlias. Bêtises.  Verbos quentes para deslizar os dedos um pouco mais. No vento. No tempo. Nesse enredo, ou nos teclados.

 

Leave a reply

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>


*