No tiemblo, For you.

agosto 23, 2016 "A existência Física é um Grande Teatro Cósmico............""AFLORISMOS"españolInternacionalPoesiaPulsõesRenata Vázquez - 2016 "Somos os personagens que escrevemos e prenunciavam o encontro...Cosmos...Lovers " #Hair  No comments

hibisco rojo
“Y cuando te miro, no tiemblo,
Te quiero y me escapo,
Te enlazo y te tengo
Y te ocultas en la orilla
De la luna blanca.

Y los lunares no se olvidan
Si te tengo bajo la calma
De mi falda negra

Y los cuerpos se tambalean
En el vértigo del tiempo
En un sentimiento rojo
Y blanco bajo mi nevera

Y bailando hemos flotado
Los espacios del reojo
En un cambio climático
De versos y antojos.”

 

#renatavazquez

Leer más

Efraín Huerta

julio 13, 2016 "AFLORISMOS"españolPoesia  No comments

“Creo que cada poema es un mundo.

Un mundo y un aparte.

Un territorio cercado,

al que no deben penetrar

los totalmente indocumentados,

los censores, los líricamente desmadrados.

Un poemínimo es un mundo, sí,

pero a veces advierto que he descubierto

una galaxia y que los años luz

no cuentan sino como referencia,

muy vaga referencia, p

orque el poemínimo

está a la vuelta de la esquina

o en la siguiente parada del Metro.

Un poemínimo es una mariposa

loca,

capturada a tiempo

y a tiempo sometida

al rigor de la

camisa

de fuerza.

Y no la toques ya más,

que así es la cosa.

La cosa loca,

lo imprevisible,

lo que te cae encima

o tan sólo te roza

la estrecha entenderá

—y ya se te hizo.”

 

EFRAÍN HUERTA

13 de julio de 2016.
152.070

Leer más

Rebanho

julio 1, 2016 "AFLORISMOS"PoesiaPortuguêsRenata Vázquez - 2016 "Somos os personagens que escrevemos e prenunciavam o encontro...Cosmos...Lovers " #Hair  No comments

 

ovelha negra

“O meu rebanho é de ovelhas

negras de coração puro,

de olhar taciturno,

cuando perdemos las lanas.

 

O meu rebanho te olha diferente,

Displicente continuamente,

Ao revés e na frente,

do teu sol poente.

 

E nas chuvas, orvalho,

No tronco do Carvalho,

De todos os machos híbridos ou puros,

Descolando a razão da sua retina.

 

O meu rebanho é de ovelhas,

negras,

De coração rotundo,

Poço sem fundo,

Nevoeiro que te traga,

Sem tédio

ou pudor.”

 

 

Renata Vázquez 152.070

#allrightsreserved

Leer más

O duende e a menina

junio 29, 2016 "A existência Física é um Grande Teatro Cósmico............""AFLORISMOS"españolInternacionalPortuguêsRenata Vázquez - 2016 "Somos os personagens que escrevemos e prenunciavam o encontro...Cosmos...Lovers " #HairReportajes / Reportagens  No comments

paco maestro

Sobre a “Teoria y Juego Del duende”… Por vezes, o ator, trovador, escritor, esbanja técnica, habilidade, controle, efeitos plásticos, mas não lhe tira da realidade. Não te sacode, não pulsa dentro. Não enfeitiça, não  inebria. Se não fala à alma, falta algo. Se não te faz esquecer por um microssegundo que és feito de carne. Falta vida. Falta o duende. Falta. Essa chispa, que acende e ascende, que comove, que te faz levitar por entre as entrelinhas da vida corrente. O duende chega sem aviso, te penetra ou te possui. O duende é assalto ou furto? Ou ambos os duelos dilacerando a razão que não se segue. O duende é arroubo, é possessão, não se explica ou delimita. Se não há risco, não há duende, se não há fluxo, ele não vem...

Leer más

Jogo o jogo / Encaixe-me um verbo

junio 18, 2016 "A existência Física é um Grande Teatro Cósmico............""AFLORISMOS"CrônicasDA COR DO BRONZEespañolInternacionalLivro A Dama EscuraNovelasPoesiaPortuguêsPulsõesRenata Vázquez - 2016 "Somos os personagens que escrevemos e prenunciavam o encontro...Cosmos...Lovers " #Hair  No comments

poker

“Jogo o jogo.

Encaixe-me

um verbo.

Celeste ou de fogo.

Se não tem nexo, eu vou. Se não tem sexo, é amor. Se há medo, é pudor.  Se for de prata, eu empresto. Se não cabe, é resto. Se não prestar, eu invento. As flores do seu sentimento, no  temperamento-figurado. Se não faz sentido, eu sigo. Na corda bamba, ou abismo. E insisto e desvisto, as vestes versadas em querer  vermelho. verborrágico. Se aliteramos, eu falo. Se descruzamos, eu orvalho. Se insistir, eu não sinto. Muito nem pouco. Se for curto, eu me alongo. Entre os membros e  membranas. Se for na cama, eu não durmo. No seu colo, eu me calo. E movo as montanhas, que você leva dentro. Sinuosas ou oblíquas, eu não sigo as pistas. Mas, recrio o momento, de te saber dentro. E se isso é um jogo, vou começar de no...

Leer más

Deixa….

junio 14, 2016 "A existência Física é um Grande Teatro Cósmico............""AFLORISMOS"DA COR DO BRONZEespañolInternacionalLivro A Dama EscuraPoesia  No comments

Deixa a poesia quarar.

 

Deixa a poesia quarar.

Os versos logo caducam

e o amarelo penetra

as páginas.

De quem não soube

viver. Ou decorar,

O verso exposto.

Ou resvalou

em um negro olhar.

A serpentear nas próprias

entranhas nebulosas.

Ou nas mesmas

veias rasas

de lobo- homem

embolorado.

 

 

#allrightsreserved

Renata Vázquez

Leer más

“Ella se ha cansao”

junio 13, 2016 "A existência Física é um Grande Teatro Cósmico............""AFLORISMOS"CrônicasDA COR DO BRONZEespañolInternacionalLivro A Dama EscuraPoesiaPortuguêsRenata Vázquez - 2016 "Somos os personagens que escrevemos e prenunciavam o encontro...Cosmos...Lovers " #Hair  No comments

https://www.youtube.com/upload

Ela escreve o que nela descreve.

Ela escreve sobre o perigo e a calma. Sobre as dúvidas, sob a ribalta. Sobre ribanceiras e os abismos que figuram dentro. Dentro de uma persona multifacetada e sem máscaras que mascarem a superfície. Ela escreve sobre o risco e a ternura, sobre as tertúlias da vista impura. Ela escreve e dessangra a lua, a carne crua e as vísceras nuas. Ela escreve sobre os montes e rodamoinhos, sobe as montanhas do seu ego de espinhos. Ela escreve sobre a poeira sob o tapete. Ela escreve matando os pronomes, inventando nomes e dilacerando dicionários e regras. Ela escreve para que a vida sorria, na manhã mais fria. Para integrar sabores, para desconstruir temores. Ou para falar sozinha. Ela escreve porque se autointoxica...

Leer más

Sahara, a filha do Deserto….

junio 13, 2016 Livro A Dama EscuraNovelasPoesiaPortuguêsRenata Vázquez - 2016 "Somos os personagens que escrevemos e prenunciavam o encontro...Cosmos...Lovers " #Hair  No comments

Su proximo libro se encuentra en el prelo
ya registrado…

Para el segun semestre….
Tendremos novedades,

besos

Renata Vázquez
152.070
OAB-RJ

Leer más

A casa do além…. Muro….

junio 12, 2016 "A existência Física é um Grande Teatro Cósmico............""AFLORISMOS"CrônicasPoesiaPortuguêsRenata Vázquez - 2016 "Somos os personagens que escrevemos e prenunciavam o encontro...Cosmos...Lovers " #Hair  No comments

#acasadoalemmuro  #lalocadelacasa #callmecrazy #seal #paintit #green #greenday

#acasadoalemmuro
#lalocadelacasa
#callmecrazy
#seal #paintit #green #greenday

“A tarde começava a se despir friamente.

As nuvens se vestiam de um cinza escuro,

era preciso aceitar que seu tempo ali

se esgotava. Olhava as esquinas desenhadas

e decoradas com tintas de todas as cores

e fios e linhas que se comunicavam

em uma grande narrativa

que se estendia

por todo o muro.

E ela com os passos imprecisos,

olhando para o chão e os lados,

e naquele momento gostaria

de ter duas cabeças.

Quatro olhos

que registrassem

e documentassem

tudo.

Restavam

apenas

algumas horas.

Logo precisaria

levantar acampamento.

Erguer a vista.

E descer à realidade de sua casa

no alto da rua.

A de número , 8 – A,

Já não havia

recursos

financeiros

, após

a partida definitiva do avô…”

“…. Ainda assim queria

Leer más

Bela-mente incongruente

junio 9, 2016 "A existência Física é um Grande Teatro Cósmico............""AFLORISMOS"CrônicasDA COR DO BRONZEespañolInternacionalLivro A Dama EscuraPoesiaPortuguêsPulsõesRenata Vázquez - 2016 "Somos os personagens que escrevemos e prenunciavam o encontro...Cosmos...Lovers " #Hair  No comments

narciso

Defina o que não se toca, ou se tinge e não se molha, desfolhando a forma… 

Porque a beleza, na verdade, precisa ter algo de feio. Sim. A beleza para a leitura destes olhos precisa provocar certo espanto, certa graça, incoerência e incongruência. Sem o menor denominador comum ou senso geral da nação maciça. A beleza de um sorriso torto, ou um dente lascado. Talvez um par de olhos de coruja ou gavião endiabrado. Encantam-me os olhos, a beleza da segunda página, o flerte à segunda vista. Aquela pista de beira de estrada, quando você foge de todos os rostos previsíveis. A beleza está presente, naquela esquina que se espreme, decorando uma célebre avenida movimentada. Ou quando o rosto ganha calles ou vielas de expressão. Rostos de homens são intrigantes...

Leer más